quinta-feira, 17 de março de 2011

Como vai o marketing no Facebook em Portugal?

O Social Bakers publicou recentemente um Facebook Marketing Report para Portugal com alguns dados interessantes. Para ver aqui.

Agências, abram os olhos


Imagem daqui.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Não, David, não é por aí

David Bisbal, cantor espanhol de sucesso, meteu a pata na poça com um comentário pouco inteligente no Twitter, sobre a revolução no Egipto. O hashtag #turismobisbal foi "trending topic" e levou mesmo o cantor a apagar o tweet, como relata o "El País".

Quando o assunto é uma revolução na qual o Twitter tem um papel importante, convém limitar nas asneiras, sobretudo no... Twitter.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Como criar hashtags de sucesso?

Os fãs do Twitter conhecem-nos bem. Às vezes, de um momento para o outro, aparece num tweet um cardinal seguido de uma expressão, que se multiplica pela rede e lança um tema para a ribalta. Chamam-lhes hashtags. Hoje, por exemplo, o hashtag #prayforBrazil (rezem pelo Brasil) - a propósito da tragédia causada pelas cheias no país - é um dos mais usados na rede social.

Ao criarem visibilidade, os hashtags são apetecíveis para as marcas. Os positivos, é preciso frisar, porque ainda há pouco tempo a Ensitel viu um hashtag com o seu nome tornar-se no primeiro grande exemplo de uma situação de crise nas redes sociais em Portugal. Mas, quando a abordagem é positiva, um hashtag popular pode levar o nome de uma empresa ou de um produto aos "trending topics", o top dos temas mais falados da rede, que é basicamente onde toda a gente quer estar e onde, aliás, muitos pagam para estar com um "trending topic" patrocinado. Será sobretudo por este apetite das empresas que alguns se dedicam a estudar o fenómeno.

O blogue do Twitter publicou uma análise a um dos mais recentes hashtags de sucesso do Twitter: #lessambitiousmovies. Vale a pena ler o texto e também o post publicado sobre o assunto pelo GigaOm. Nesse mesmo blogue, faz-se referência a um texto anterior do Twitter Media que é obrigatório para os interessados na "arte" de criar hashtags. Desse post, constam algumas dicas interessantes:

1. os bons hashtags são como "penhascos gramaticais": quem lê, não consegue evitar completar a expressão;
2. é melhor fazer hashtags com temas específicos do que com temas muito abrangentes;
3. um bom hashtag promove-se não só no Twitter mas também noutros meios.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

O que é que o MySpace e os jornais têm em comum?

A notícia do despedimento de 47% dos funcionários do MySpace chega acompanhada de uma outra. A News Corp., proprietária da rede social, está a tentar encontrar um comprador numa altura em que, digo eu, não devem abundar ofertas.

Como se passa de uma rede social florescente a uma empresa desesperadamente à procura de comprador? A notícia do Mashable faz lembrar demasiado a história que lemos tantas e tantas vezes em relação aos jornais, sobretudo os diários - em Portugal e noutros países. E a resposta para um caso e para o outro poderá bem ser a mesma: estagnação, ignorar a concorrência e, acima de tudo, não acompanhar os desejos de consumidores cada vez mais exigentes. É o trio que enterra qualquer empresa nos dias que correm.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Não aos pais no Facebook

A geração Y está atrapalhada com os pais que fazem pedidos de amizade no Facebook. Aceitar ou não aceitar, eis a questão. Há quem aceite contrariado, quem faça filtros nos comentários e nas fotografias - para os pais não lerem - e quem crie grupos como o "Não aos pais no Facebook".

Ups!, a minha mãe está no Facebook, um texto muito interessante no "El País".

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Beckham, Ronaldo e Guaraná

É mais um exemplo de marketing viral e de como uma marca atenta pode fazer render bem o seu peixe.

Em Novembro, David Beckham publicou na sua página do Facebook - que conta com mais de sete milhões de fãs - uma foto de uma lata de Guaraná Antárctica acompanhada por uma frase: "Preciso da vossa ajuda... Onde é que posso comprar esta bebida nos EUA? Não a consigo encontrar em lado nenhum".

Não há notícia de que a pergunta fosse paga pela marca. Terá sido antes espontânea, mas, do lado do Guaraná, houve quem estivesse atento à oportunidade. Em resposta a David Beckham, a marca contratou o brasileiro Ronaldo, que fez um vídeo para a ocasião.



A campanha incita os internautas a tornarem-se fãs da página do Guaraná. Por cada "like", um gole da bebida vai para Beckham - sete completam uma lata. Um dos fãs vai ganhar exactamente a mesma quantidade de latas que for para Los Angeles, para Beckham. O vencedor será o que criar a resposta mais criativa à pergunta: “Por que eu também mereço um gole de Guaraná Antárctica?”

Chii, tantas ideias erradas nas redes sociais

Quais são os principais equívocos das empresas quando o tema são as redes sociais? Chunka Mui, do grupo de consultoria Devil's Advocate, dá a sua opinião na "Forbes".

Alguns dos pontos:
Considerar as redes sociais apenas mais um media
Achar que é possível controlar as conversas
Encarar as redes sociais como ilhas
Querer criar plataformas novas, que possam competir com Facebook e afins.

Vale a pena ler.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Bons conteúdos nas redes sociais

Cinco truques para criar conteúdos de sucesso nas redes sociais, post certeiro publicado no Mashable.

Adeus, lojas*

A internet é bem capaz de ser a melhor amiga de quem não gosta de filas de espera. As idas ao banco foram cortadas, a Amazon faz-nos aparecer os livros à porta e o frigorífico pode encher-se com apenas alguns cliques no site do supermercado.

Nesta segunda-feira, comprei o meu novo telemóvel através da internet e com um desconto por não ter ido à loja. Mais, como tinha algumas dúvidas sobre os tarifários disponíveis para o modelo, ainda entrei no chat da empresa e pude, em tempo real, falar com um funcionário para me esclarecer. Encomendei logo ali. Daqui a uns dias, aparece-me à porta.

Cada vez mais as empresas encurtam a distância para os clientes. Chats, Facebook e Twitter são usados para responder com rapidez ao consumidor e só as empresas que estejam à altura do ritmo acelerado da web 2.0 podem sobreviver. O novo consumidor não gosta de filas nem de funcionários antipáticos atrás do balcão e odeia as empresas arrogantes que não lhe dão ouvidos. Quem ainda não percebeu, vai ser passado para trás.

* o título não antecipa o fim dos espaços físicos de venda, mas antes o grande crescimento das vendas online e a preferência de grande parte dos consumidores por este comércio.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Como transformar o iPhone 4 numa TV

Quem disse que actualmente nada se consegue sem tecnologia de ponta?

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Quem sofre de Transtorno de Privação de Informação?

Uma equipa internacional de investigadores identificou um novo transtorno na Geração Internet. Chamou-lhe Information Deprivation Disorder, qualquer coisa como Transtorno de Privação de Informação, e detectou o problema depois de privar centenas de jovens em todo o mundo de todos os equipamentos tecnológicos.

O estudo, intitulado Unplugged, pediu a voluntários de 12 universidades que abdicassem de computadores, iPhones ou outros telemóveis, iPods, rádios ou outros aparelhos de músicas, televisões e até jornais durante um dia. O resultado, dizem os investigadores da Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, foram sintomas idênticos à privação de álcool ou drogas. "Não vimos apenas sintomas psicológicos, mas também físicos", declarou Roman Gerodimos, que liderou a parte inglesa do estudo, ao jornal "The Telegraph".

Os testemunhos dos voluntários do Unplugged podem ser lidos no blogue da Universidade de Bournemouth.

Redes sociais: as previsões dos "pros" para 2011

Em 2011, as empresas vão investir mais nas redes sociais, que vão deixar de ser aquela coisa estranha usada pelos "miúdos".

O Facebook vai tornar-se também numa grande plataforma de comércio electrónico e o fosso entre a maior rede social do mundo e o Twitter vai ficar cada vez maior. Estas são algumas das previsões para as redes sociais em 2011 apontadas por vários profissionais da área ao Social Examiner.